O agronegócio sempre foi fundamental para manter o crescimento do PIB brasileiro, além do otimismo da população. Falando de região quando o setor vai mal, o comercio local entra em “crise”.

Se a população humana, e é provável que isso aconteça, continuar crescendo a um ritmo de cerca de 100 milhões de pessoas por ano nas próximas décadas e, além disso, os níveis de consumo aumentar na medida em que tentamos erradicar a miséria do planeta, como subir o nível de produção de recursos alimentares para atingir os futuros níveis de consumo de maneira sustentável?

Os avanços tecnológicos em biotecnologia, robótica e engenharia genética vem mudando cada vez mais essa situação. No nível de robotização e inteligência artificial surgem a cada dia novos equipamentos como tratores e colheitadeiras, e se percebe até o uso de drones e adubadoras mais modernas ainda para acompanhar a tal de Agricultura de alta precisão.

A biotecnologia e a engenharia genética permitem hoje não só a melhoria genética de plantas e animais, mas também a criação de novos organismos contendo modificação e defensivos agrícolas capazes de reduzir, em muito, o número de pragas e ineficiência do processo.

Fazendas verticais para horticultura e potencialmente fruticultura estão não só sendo testadas como implantadas. Sua viabilidade econômica ainda é duvidosa, mas em locais com pouca terra e grande demanda elas podem ser competitivas.

Forma-se assim uma corrida entre o aumento de consumo e o aumento da capacidade de produção via novos territórios, produtividade e tecnologia. Segundo especialistas, com tantas incertezas, o recomendável é fazer um estudo de cenários de duas dimensões em que, ao colocar as variáveis opostas, surgem quatro cenários:

  • Zona de Desconforto: Combina um avanço lento da tecnologia com um crescimento lento da demanda, gerando um desconforto global. Podemos dizer que atualmente vivemos neste cenário.
  • Zona de Conforto: Avanço da tecnologia e o crescimento da demanda foram rápidos e se equilibram. É um cenário pouco provável e provavelmente instável.
  • Colapso: A demanda avança mais rápido do que a tecnologia. É o grande medo de boa parte da comunidade científica
  • Abundância: Tecnologia avança mais rapidamente do que o crescimento de demanda. Este cenário prevaleceu logo após cada uma das revoluções tecnológicas e não é impossível. Alguns, inclusive, acreditam que estamos à beira dele.

O mercado do agronegócio irá mudar fortemente nas próximas décadas e existem oportunidades e ameaças para toda esta cadeia. É preciso ficar atento às novas tecnologias, bem como aos novos entrantes vindos de outras partes do mundo.