Denominada de Hidrelétrica Panambi, a obra vai gerar um lago de 280 km²

O prefeito de Alecrim, Nerci Ames (PMDB), recentemente eleito presidente da Associação dos Municípios do Grande Santa Rosa, fez o anúncio ontem pela manhã no programa Noroeste Repórter, apresentado por Zelindo Cancian. A entrevista foi concedida direto de Brasília, por telefone, onde ele lidera a região na Marcha dos Prefeitos.

Ammes apresentou dados preliminares obtidos durante audiência mantida no início da noite de quarta-feira, com o ministro Márcio Zimmermann, de Minas e Energia. “O ministro confirmou que a barragem será construída no interior de Alecrim, se chamará Panambi e terá capacidade de gerar 1.000 megawatts”, antecipou. A nova usina hidrelétrica deverá fazer surgir na região um lago de aproximadamente 280 quilômetros quadrados. Serão investidos no projeto cerca de 2 bilhões de dólares. A localização tem como referência o Lajeado Guabiroba.

Em seu relato, Ames informou que a próxima etapa será a realização do estudo que irá apurar o impacto ambiental da obra. “A barragem deve ter sua construção iniciada dentro dos próximos 18 meses”, acrescentou. Na audiência os prefeitos foram informados que a altura da barragem será de 130 metros acima do nível do mar. Isso significa, já que o rio Uruguai em Alecrim está a 90 metros acima do nível do mar, que o grande lago a ser formado atingirá em alguns pontos até 40 metros de altura. A área a ser alagada atingirá boa parte da cidade de Porto Mauá, por exemplo, que terá que ser removida. Para servir de referência, toda a área do município de Santa Rosa é de aproximadamente 490 km².

O ministro Márcio Zimmmermann informou que antes a barragem era construída e só depois vinham as obras complementares. “Agora o processo é inverso. Primeiro são executadas as chamadas obras complementares como acessos e vários aspectos que atendam as áreas de saúde, educação e outras”, repassou Ames. O Ministério de Minas e Energia prevê a ocupação direta de 10 mil postos de trabalho na construção da barragem. A cidade de Porto Vera Cruz possivelmente também será alagada.

A Eletrobrás prevê que 6.049 pessoas serão atingidas pelo lago da barragem e todas terão que ser removidas em vários municípios. Questionamentos passam a ser levantados por empreendedores urbanos e rurais, que só serão respondidos com exatidão na palestra a ser marcada para breve com técnicos do Ministério de Minas e Energia, já confirmada para Santa Rosa e mobilizando uma platéia das microrregiões Fronteira Noroeste, Celeiro e Missões.

Fonte: Jornal Noroeste