Os russos da holding Rosoboronexport levarão para Moscou esta semana informações positivas sobre Santa Rosa. É na cidade do noroeste do Estado, visitada pela comitiva no final de semana, que pretendem investir R$ 50 milhões em uma linha de montagem de veículos blindados de uso policial-militar.

Durante a visita, os diretores da companhia ficaram impressionados com a qualidade das peças e equipamentos produzidos pelas indústrias metalmecânicas locais. A planta com 700 empregos diretos e produção de 300 veículos por ano será anunciada oficialmente em 20 dias. Após a confirmação, a holding tem plano de finalizar a linha de montagem de 2 mil metros quadrados em apenas cinco meses. No início, o blindado será construído basicamente com peças russas, mas deve chegar a 60% de materiais brasileiros em um ano e meio.

Na chegada dos russos à região, no sábado, além de Ricardo Marques, consultor militar da empresa Tamasul, de Porto Alegre, representante da Rosoboronexport no Brasil, desembarcaram no Aeroporto Municipal Luís Alberto Lehr de Santa Rosa seis russos integrantes da holding e do Grupo Arzamas, que fabrica os blindados na Rússia. Chegaram em um avião King Air do governo estadual, acompanhados pelo secretário estadual da Saúde, Osmar Terra, que participa da negociação há 10 meses.

Após recepção pelo vice-prefeito Mário Afonso Bauken (PPS), a comitiva percebeu que não está tão distante de sua cultura. Usando trajes típicos, descendentes de imigrantes russos que vieram para a região noroeste em 1909 estenderam uma faixa com a inscrição “Sejam bem-vindos” na língua dos visitantes.

— No ano que vem comemoramos o centenário da imigração russa. Nada melhor do que esse investimento para coroarmos essa celebração — destacou o presidente da Sociedade Cultural Russa Volga do Brasil, do município de Campina das Missões, Jacinto Zabolotsky.

— Faremos todo o possível para fortalecer a amizade entre Rússia e Brasil. E a empresa que planejamos instalar é um passo para que os laços fiquem mais fortes — disse em russo o chefe da comitiva Oleg Strumin, com tradução do diretor regional da holding no Brasil, Alexey Garin.

No domingo pela manhã, o grupo passou em Santo Ângelo e visitou uma empresa de fundição com selo que certifica alta qualidade técnica empregada na fabricação das peças. A cidade chamou atenção do grupo por ter boa capacidade elétrica: são três subestações de empresas diferentes.

Animados com a possibilidade de instalação da nova fábrica, os empresários de Santa Rosa se mobilizaram para demonstrar a capacidade do setor metalmecânico da cidade. A primeira parada foi na fábrica de colheitadeiras AGCO para mostrar o funcionamento de uma montadora de grande porte na cidade.

— A vinda deles para cá é muito interessante, pois nos deixa menos dependentes do cenário agrícola. Temos condição de produzir qualquer peça que eles precisem para seus veículos — disse o presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Santa Rosa, Nerison Antonio Paveglio.

Na visita à cidade, a comitiva russa passou por empresas que poderão ser distribuidoras de peças, como uma indústria de cabines e outra de tubos de aço. Também visitaram dois terrenos onde podem instalar a fábrica (o escolhido será cedido pela prefeitura). A administração realizará também a infra-estrutura no local e concederá isenção de 10 anos em tributos municipais.