Reunião sobre Camelódromo.

A reunião realizada pela AD e ACISAP representada respectivamente por seus Presidentes Gerson Pohl e Ênio Gehm, contou com a participação da Câmara Municipal de Vereadores representada pelo seu Presidente João Altamiro Martins (Bolinha).

Na reunião compareceram mais de 10 entidades representativas de nosso município e também pessoas da comunidade de Santa Rosa. A pauta da reunião foi os esclarecimentos sobre a localização do camelódromo.

O Presidente da AD Gerson Pohl salientou que a AD e as entidades associadas após debaterem internamente o assunto, querem discutir melhor está questão com a administração municipal, câmara de vereadores e a comunidade. Pois entende que o assunto é mais abrangente que simplesmente o ponto escolhido para ser construído o camelódromo.

O Presidente da ACISAP Ênio Gehm compartilha da idéia de que devemos rediscutir a localização do camelódromo, pois entende que existem locais mais apropriados que a praça central de nosso município para se efetuar está obra. Também sugere que seja realizado um berçário de empresas desta atividade, onde futuramente (com prazo definido) o usuário deste box formalize a sua empresa e passe a pagar tributos como qualquer outro empresário ou empresa constituída.

O Presidente da CÂMARA DE VEREADORES João Altamiro Martins (Bolinha) relatou da intenção da administração municipal em resolver está questão, que já se alonga por mais de 10 anos, deixou claro a sua posição em rediscutir com o Prefeito Municipal outra solução de local e de legislação para este tipo de atividade. No oportuno salientou que está a disposição das entidades e da comunidade para se chegar a solução desta questão.

Na reunião muitas opiniões foram expostas e sugestões propostas, sendo que é unânime a discordância da localização até então definida da Praça da bandeira ( frente ao Unibanco e Hotel Real ) para serem alojados os camelos.

Partindo da questão da localização foi sugerido como local a Praça 10 de agosto, próximo ao Mercado Público como sendo no entendimento da maioria dos presentes o local mais apropriado para o Camelódromo.

Outra questão abordada foi à legislação que estes comerciantes (camelos) estão sujeitos, quem deve fiscalizá-los e quais os mecanismos eficientes para se fiscalizar este tipo de atividade, que pelo que sabemos é informal.

As entidades são formadas pelos seus associados que são empresas constituídas, por isso entendem que este tipo de atividade não pode ser vitalício em um local público e sim uma questão de tempo para que o comerciante (ambulante ou camelo) legalize a sua empresa.

Sendo assim esse comerciante (camelo) possa ter futuramente o seu ponto comercial nos termos vigentes da legislação, com os encargos que todo o empresário tanto de ME ou EPP possuem perante os órgãos da União.

Att;

Fernando Borella
AD